quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Nudez

Fiquei nua de orgulho
fiquei nua de palavras,
fiquei nua de sonhos.

Vesti-me de amor e o amor me despiu.
Na matéria coberta, fiquei nua.

Cobri-me de choro.
Chorei vestida de amor e o amor me despiu.
Fiquei nua de novo!

Nua de mente e de corpo,
nua de alma, de gente.
Nua, vestida de amor para o amor!

Queria chorar e chorei. O amor deixou.
Queria falar e calei. O amor me calou.

Leve, com medo...
Medo de ficar nua na frente do nu.
Nus de fato, almas e corpos nus.

Dormi nua sobre o nu,
ambos vestidos de amor.

E se alguém entrasse e nos visse nus?
E se nos vissem nus?
Enxergariam também nossa nudez coberta?


Sílvia Mota.
Rio de Janeiro.
Lembro-me até hoje de quando fiz este poema. Estava na sala de espera de um dentista, em Copacabana. A dor de amor invadia minh'alma...

Nenhum comentário:

Postar um comentário